Pular para o conteúdo principal

Ecologia

A palavra "ecologia" deriva do grego oikos, com o sentido de "casa", e logos, que significa "estudo". Assim, o estudo do "ambiente da casa" inclui todos os organismos contidos nela e todos os processos funcionais que a tornam habitável. Literalmente, então, a ecologia é o estudo do "lugar onde se vive", com ênfase sobre "a totalidade ou padrão de relações entre os organismos e o seu ambiente", citando uma das definições do Webster's Unabridged Dictionary.

Em relação a hierarquia e os níveis de organização, em que hierarquia significa um "arranjo numa série graduada" (Webster's Unabridged Dictionary) temos o termo população que trata dos grupos de indivíduos de um tipo qulaquer de organismo, temos a comunidade, que inclui todas as populações que ocupam uma dada área. A comunidade e o ambiente não-vivo funcionam juntos como um sistema ecológico ou ecossistema. Biocenose e biogeocenose (o que significa literalmente vida e terra funcionando juntos) termos frequentemente usados na literatura européia e russa, equivalem aproximadamente a comunidade e ecossistema, respectivamente.

Bioma é um termo conveniente, largamente usado, para denominar um grande biossistema regional ou subcontinental caracterizado por um tipo principal de vegetação ou outro aspecto identificador da paisagem, como, por exemplo, o bioma da floresta decídua temperada.

O maior sistema biológico e o que mais se aproxima da auto-suficiência muitas vezes se denomina biosfera ou ecosfera, a qual inclui todos os organismos vivos da Terra que interagem com o ambiente físico como um todo para manter um sistema de estado contínuo, intermediário no fluxo de energia entre a entrada de energia de origem solar e o dissipador térmico do espaço.

Estrutura trófica

Produtores: organismos autotróficos, ex: plantas verdes;

Consumidores: organismos heterotróficos, ex: animais que se alimentam de outros ou de matéria orgânica particulada;

Decompositores: organismos heterotróficos, ex: bactérias e fungos, que se alimentam degradando tecidos mortos ou absorvendo matéria de plantas ou outros organismos. 

Os três componentes vivos (produtores, fagótrofos e saprótrofos) podem ser considerados os três reinos funcionais da natureza, pois se baseiam no tipo de nutrição e na fonte de energia utilizados. No arranjo de filos, seguindo Whittaker (1969), numa "árvore genealógica", todos três tipos de nutrição encontram-se entre os Monera e os Protista, enquanto que as três ramificações superiores, "plantas", "fungos" e "animais" estão especializados como "produtores", "absorvedores" (saprótrofos) e "ingestores" (fagótrofos), respectivamente. 

O fluxo de energia em relação a ecossistemas ocorre em um só sentido.

As pirâmides ecológicas podem ser de três tipos gerais:

A pirâmide de números, na qual se representa o número de organismos individuais;

A pirâmide de biomassa, baseada no peso seco total, no valor calórico ou em outra medida da quantidade total de material vivo;

A pirâmide de energia, na qual se mostra o fluxo energético e\ou a produtividade em níveis tróficos sucessivos. 

Referências bibliográficas

ODUM, Eugene Pleasants. Ecologia. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1988.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A descoberta da célula e os dois tipos fundamentais de célula

A invenção do microscópio, aparelho capaz de aumentar a imagem de pequenos objetos, possibilitou a descoberta das células, as unidades microscópicas que constituem a absoluta maioria dos seres vivos.
Acredita-se que o microscópio tenha sido inventado em 1591 por Hans Janssen e seu filho Zacharias, dois holandeses fabricantes de óculos. Tudo indica, porém, que o primeiro a fazer observações microscópicas sistemáticas de materiais biológicos foi o holandês Antonie van Leeuwenhoek (1632-1723). Os microscópios de Leeuwenhoek eram dotados de uma única lente, pequena e quase esférica.
Influenciado pelas descobertas de Leeuwenhoek, o inglês Robert Hooke (1635-1703) construiu um microscópio dotado de duas lentes nas extremidades de um tubo de metal, a ocular e a objetiva. A partir daí Hooke descobriu a célula, que é a unidade que constitui os seres vivos.
Quanto aos dois tipos fundamentais de célula, temos as células procarióticas, presentes em bactérias e cianobactérias, e as células eucari…

Diferenças entre a célula animal e a célula vegetal

A célula é a unidade fundamental que constitui os seres vivos. Sabemos que tanto os animais quanto os vegetais possuem células eucarióticas, estas as células mais complexas.
A membrana celular de todos os tipos de células tem composição química semelhante. Seus principais componentes são fosfolipídios e proteínas, diz-se que ela é lipoproteica. Sua principal função é separar o meio extracelular do intracelular, controlando tudo o que entra e o que sai da célula. 
Nos vegetais, a célula apresenta, além da membrana celular, a parede celular, que a reveste externamente. Formada principalmente por celulose, essa parede celular garante maior resistência à célula vegetal, evitando a ruptura pela entrada de água. Além disso, ela é responsável por dar tamanho e forma à célula vegetal e proteger contra a entrada de patógenos.
No citoplasma, algumas organelas são comuns às células animais e vegetais.

- ribossomos - relacionados com a síntese de proteínas; - retículo endoplasmático - relaci…

Camuflagem ou mimetismo?

Tanto a camuflagem quanto o mimetismo são estratégias de defesa contra predação utilizados por animais e plantas para se defender de possíveis ataques de seus predadores.

No caso da camuflagem, o animal ou planta se assemelha ao ambiente em que ele vive de forma que o predador não consegue identificá-lo por confundi-lo com o ambiente. Ex: coruja em galhos e troncos de árvore.


Já no mimetismo,o animal se parece com outro animal. Ex: coral falsa (figuras 2 e 4) que se parece com a coral verdadeira (figuras 1 e 3).